domingo, 13 de agosto de 2017

CAIO Amélia da Marinha para homenagear meu pai

Hoje é o Dia dos Pais e como forma de homenagear meu pai, um aposentado sargento da Marinha, coloco aqui o ônibus que o Ministério da Marinha cedeu para o Clube dos Veículos Clássicos para ser exposto em eventos. Felicidades a ele, que também me deu muitas alegrias e me aguentou por muitos anos (Risos).

É um CAIO Amélia de 1986 que recentemente esteve em uma exposição em Petrópolis. Foi clicado por mim na orla de Gragoatá, onde estava acontecendo um evento com carros antigos. Curtam e feliz Dia dos Pais a todos os homens que tem filhos.



sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Escândalo do transporte do Rio de Janeiro pode adiar mudanças no sistema municipal

Como foi noticiado há várias semanas, vários empresários e executivos do transporte carioca foram presos e/ou denunciados por envolvimento em corrupção. Até agora desconheço o desenvolvimento deste episódio, as o que eu sei é que até as coisas serem resolvida, o transporte carioca continuará como Eduardo Paes deixou.

A secretaria de transportes atual havia prometido fazer uma mudança no sistema de transporte municipal, revendo a licitação e ressuscitando linhas importantes que foram irresponsavelmente extintas. O PMDB tem a mania de decidir as coisas sem consulta popular e o que vimos na capital fluminense estamos vendo no governo federal após o golpe. O partido que surgiu em oposição a ARENA aprendeu muito bem o que é agir contra a vontade popular.

O que a gestão da prefeitura de Crivella pretende, além de reativar linhas, era também eliminar a pintura padronizada que imitava o sistema de Curitiba, inspirada nos veículos militares do tempo da ditadura. Curitiba, é bom lembrar, é a capital onde acontece a operação comandada pelo PSDB, chamada Lava Jato, e onde o sádico fascismo cresce a ritmos galopantes (algo que infelizmente também acontece no RJ), além de ser palco para uma nova forma de coronelismo político.

Por causa dos escândalos, o sistema municipal de ônibus do Rio de Janeiro poderá se renovar bem mais tarde do que previsto. A secretaria comandada pelo engenheiro Fernando McDowell - declaradamente avesso a padronização visual - anunciou as mudanças para abril passado. Mas estamos em agosto e novas aquisições que continuam chegando neste mês ainda ostentam a estampa da "Viação Eduardo Paes", que até hoje continuam rendendo muita polêmica.

Vamos aguardar o desenrolar dos fatos, sabendo apenas que McDowell está disposto a várias mudanças, retomando qualidades que não deveriam ter sido extintas. Afinal, 50 empresas impedidas de serem identificadas pela população é algo que sinceramente fere o interesse público. Então para que foi a licitação? O desfecho dos escândalos poderá mostrar a resposta.

domingo, 6 de agosto de 2017

1001 cede dois ônibus antigos para evento de veículos clássicos

Hoje dia 06/08/2017 teve uma exposição de veículos clássicos na orla do bairro de Gragoatá em Niterói. Inúmeros automóveis dos mais diversos modelos clássicos estiveram na exposição, que atraiu um imenso número de pessoas. 

Eu fui, mas só pude tirar fotos de alguns veículos e dos poucos ônibus que estiveram no evento, pois a bateria do celular acabou. Eu só soube do evento na última hora e não pude carregar meu celular a tempo. Sorry. Falha nossa.

Além dos automóveis, teve um caminhão e três ônibus. Dois dos ônibus foram cedidos pela Auto Viação 1001 (que vem com sensíveis novidades neste mês), um Chevrolet do início da empresa que se chamava Viação Líder, que absorveu várias extintas empresas incluindo a própria 1001, que virou o carro chefe do grupo JCA. O veículo, da segunda metade da década de 50, foi restaurado e retoma as características de quando foi adquirido.

O outro veículo é um modelo rodoviário da Ciferal conhecido como "Papo Amarelo". Aqui ele aparece com as características da época da aquisição, 1964, mas eu pude ver pessoalmente, uma versão atualizada para os anos 70 com poltronas mais altas e largas.

Veja as fotos, clicadas por mim mesmo, dos belos ônibus cedidos pela 1001 para o evento de carros antigos. Agradecendo à empresa por ter decidido participar do evento com estas maravilhas.





quarta-feira, 26 de julho de 2017

Confirmado: pintura padronizada é para encobrir irregularidades no transporte

Um comentário que recebi de outro entusiasta, cuja identidade será preservada, confirma a minha crença sobre o verdadeiro motivo da pintura padronizada, aquela mania de gestões de mandar pintar os ônibus com uma só pintura estipulada (com poucas alterações), impossibilitando ou pelo menos dificultando a identificação das empresas operadoras, além de servir de propaganda das secretarias de transportes.

Inventada em Curitiba pelo prefeito biônico Jaime Lerner, hoje consultor do governo de Michel Temer, a medida foi inspirada nos veículos militares e não deixava nenhuma chance de identificação fácil sobre as empresas, permitindo a identificação apenas dos consórcios, que são entidades abstratas, quase irreais. Apenas os entusiastas e técnicos das secretarias de transporte conheciam os meios de identificar as empresas. 

Segundo o entusiasta que me escreveu, o objetivo da pintura padronizada é impedir que os usuários entrem em contato direto com as empresas na hora de reclamar sobre problemas, transformando as secretarias de transportes em intermediárias entre as empresas e os usuários. Isso traz desvantagens, como perda de tempo e expectativa pela boa vontade da prefeitura, o que não raramente falha.

Prefeituras já demonstraram incompetência na gestão do transporte público. Empresas públicas de transporte sempre morreram reduzidas a montes de sucata. Entregar a elas a gestão é um erro, pois em sistemas "curitibanizados" a responsabilidade das empresas diminui e as secretarias de transporte quase sempre negligenciam a administração do trasporte, que acaba sendo precária.

A padronização visual favorece a corrupção e outros tipos de irregularidades, pois não deixa a população perceber quais empresas estão servindo em suas cidades. Não adianta nomes em letras quase ilegíveis se à distância eles não são sequer percebidos. Com isso, empresas e secretarias de transporte fazem o que querem bem longe dos olhos da população, que não raramente é prejudicada no seu direito de ir e vir.

Curioso que em sistemas "curitibanizados" são feitas licitações, o que deveria por lógica favorecer a identificação de empresas, já que isso tem muito a ver com a satisfação do interesse público. Mas consagrou-se o erro de achar que "público" tem a ver com interesse de políticos e não o da população, como é dito pela lei.

É bem desvantajosa a padronização de pinturas e contaria o interesse público e o direito a propriedade (que não deve ser abusado, nem ignorado). Ônibus não é brinquedo de secretarias de transporte. Seria melhor que a identidade visual das empresas fosse repeitada. Até porque na hora dos bilhetes únicos, as secretarias de transporte exigem identificação dos usuários. Porque não exigir a identificação das empresas operadoras?

terça-feira, 25 de julho de 2017

Porque a maioria dos entusiastas seguem ideologias políticas conservadoras?

O Brasil vive na polarização política. De um lado, os progressistas, que querem bem estar para todos, independente de classe e lutam por justiça social. Do outro, os conservadores, defensores do bem estar dos mais ricos e que lutam pelos privilégios dos poderosos. Estranhamente, boa parte dos entusiastas de ônibus se encontra no segundo grupo, apesar de muitos serem claramente oriundos das classes menos favorecidas.

Porque será que os ideais de direita predominam nos entusiastas conhecidos como "busólogos"? Ou por ingenuidade ou por simples puxa-saquismo das classes dominantes, percebo que a maioria de textos e comentários escritos por entusiastas demonstram ideais de direita ou até mesmo de extrema direita. Conheço entusiastas adeptos do fascismo, mas não citarei nomes para não criar problemas. Cada um que faça da vida o que quiser, mas se prejudicar os outros, terá que ser responsabilizado.

Mas porque isso acontece? Coincidência? Talvez. Mas é coincidente demais ver que praticamente não se vê ideais progressistas entre os entusiastas de ônibus. Não vi um busólogo que mostre em sua foto algum referencial progressista. Se houver, serão poucos. Será que é porque envolve empresas, o que consequentemente envolve empresários e a posição ideológica destes?

Pensamento conservador legitima a ganância

Sabe-se que empresários tendem a serem gananciosos. Mesmo os pequenos e médios, com todas as dificuldades que passam - dificuldades ausentes nos grandes e gigantes - sonhem um dia em serem grandes e enriquecer, tendo um padrão de vida nababesco, longe da realidade do país. 

A meta de empresários é quase sempre viver melhor que a maioria da humanidade e ter poder para convencer políticos a trabalharem a seu favor. Quem ignora isso, achando que empresários agem de forma humilde, cívica e altruística, está fora da realidade. Se há empresários humildes, cívicos e generosos, é uma rara exceção.

Empresários de transporte costumam ter poder político e atuam como verdadeiras máfias, agindo com secretas irregularidades no intuito de favorecer ainda mais o acúmulo de bens que garantirá um altíssimo padrão de vida além do poder de influência sobre a política, seja em que instância for.

Talvez contaminados pela admiração a empresários e pelo fato de gostarem de ônibus comumente sem utilizá-los - vários entusiastas possuem automóvel - os entusiastas acabaram aderindo a um modo de pensar tipicamente burguês, mesmo que tenham sido pobres um dia. 

Talvez pensem que se aliando a empresários e secretarias de transporte (que costumam ser submissas aos empresariado de transporte local) possam receber favorecimentos que os coloquem como membros de classes mais privilegiadas com um estilo de vida nababesco. 

É só um palpite, pois desconheço a verdadeira intenção de entusiastas quanto a isso. Além de que há quem seja conservador por ingenuidade, por desconhecer a complexidade das relações humanas, sobretudo a que envolve políticos e empresários.

domingo, 2 de julho de 2017

Estação Mussurunga para comemorar o Dois de Julho

Hoje é um dia importante para os baianos, que comemoram um do movimentos que ajudaram o Brasil a se livrar dos domínios de Portugal. Infelizmente nunca fomos uma nação realmente independente, pois sempre há países se intrometendo em nossa soberania, fato confirmado pelo golpe político/econômico feito no ano passado. Mas sempre sonharemos com a independência e as celebrações de hoje servem para nos inspirar e lutar pela retomada da soberania.

Como forma de parabenizar os baianos e de entrar no clima da comemoração, coloco aqui fotos que eu cliquei durante uma viagem que eu fiz a Salvador, em abril do ano passado, na Estação Mussurunga, que serve a região do entorno da Avenida Paralela, uma das mais importantes da cidade.

Como está prestes a se integrar com o sistema do metrô, é certo de que se tonará uma das mais modernas da capital, como aconteceu com a Estação Pirajá, hoje uma das mais modernas e belas estações de ônibus do país. Curtam as fotos clicadas por mim em 2016, com nove fotos na parte interna da estação e uma mostrando o estoque de ônibus aguardando para serem utilizados nas linhas.











sexta-feira, 30 de junho de 2017

Isolados nas redes sociais, busólogos desconhecem que pintura do Rio de Janeiro poderá mudar

A maioria dos brasileiros se encontra isolada nas redes sociais, fato complementado pela confiança cega na grande mídia e na aversão a leituras mais aprofundadas. Infelizmente, suas únicas fontes de informação são os meios de comunicação tradicionais e as redes sociais. Nos primeiros, há grandes empresários, entre donos e patrocinadores, interessados em impor seus pintos de vista. Nas segundas, há cidadãos mal informados que se divertem em espalhar boatos e lendas que comumente se opõem a fatos que ocorrem na realidade.

Quando eu fiz a série sobre a possível volta das pinturas personalizadas na frota municipal do Rio de Janeiro, ficou a impressão de que fui eu que inventei esta estória, por ser um dos maiores interessados para que a padronização de pintura se encerre. Mas eu não gosto de mentir e se alguma notícia falsa é divulgada por mim é por boa fé, por confiar nas fontes onde eu pego um informação. Pessoas erram, pessoas mentem. Mesmo fontes confiáveis podem errar de vez em quando.

Secretário de transportes é contra padronização de pinturas

A série de postagens se iniciou graças a uma entrevista que eu li dada pelo secretário de transportes da gestão Crivella, Fernando McDowell. McDowell demonstrou intenções de eliminar a pintura padronizada da frota municipal. Em 2010, quando a medida foi implantada pelo prefeito do PMDB, Eduardo Paes, McDowell fez críticas a medida, pois entende que a identificação de empresas é uma medida que facilita a vida do usuário, respresentando respeito à população e ao resultado das licitações. Até agora, Feira de Santana, na Bahia é a única gestão das que fizeram licitação permitindo a pintura diversificada.

Como McDowell é secretário de transportes, responsável pelo sistema de ônibus na capital fluminense, será dele a decisão sobre o que irá acontecer com a pintura dos ônibus cariocas. Ele está prestes a lançar o novo sistema de ônibus que trará de volta linhas importantes, extintas de forma irresponsável pela gestão anterior. Como está demorando bastante para lançar o novo sistema, antes previsto para abril, subentende-se que haverá novidades sobre a pintura, possivelmente a volta da pintura diversificada. 

Pintura de 2010 simboliza decadência do sistema de ônibus carioca

Sabe-se que no mínimo a pintura atual está com os dias contados, mesmo que seja substituída por outra padronização de pintura. A pintura de 2010 ficou com um péssimo estigma por marcar a decadência do sistema da ônibus carioca, outrora um dos exemplares.

Mas muitos entusiastas, conhecidos como "busólogos" desconhecem a possibilidade de mudanças e acreditam - uns até querem - que esta pintura seja mantida. A acelerada renovação de frota ocorrida nos últimos meses, ainda com a pintura de 2010, dá uma ilusão de que as coisas continuarão como estão. Mas sempre é bom nos informar melhor e saber que nem tudo dura para sempre. Não há mal que sempre dure e não há bem que não se acabe. Pode ser que a "Viação Eduardo Paes" esteja com os dias contados. É ver para crer.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Do contrário de rumores, donos da CAIO resolveram ressuscitar a Busscar

Estava praticamente certo que a CAIO compraria a estrutura da Busscar para fazer a sua linha rodoviária, mas usando seu próprio nome e não da falida encarroçadora. Rumores davam como quase certa que a estrutura comprada serviria apenas para fazer a linha Solar decolar.

Mas uma nota divulgada no site do radialista e estudioso de transportes Adamo Bazani revelaram que os donos da CAIO resolveram ressuscitar mesmo a Busscar.

Possivelmente será uma Busscar meio "Caiocizada" e desvinculada da filial colombiana, hoje bem sucedida e com novos e belos modelos. Aliás é bem estranha esta estória de filial bem sucedida de matriz falida e mais estranha é a falta de interesse da filial colombiana em ajudar a matriz.


O que revelou a volta da encarroçadora é um site em que pede currículos e anuncia uma "nova história" para a firma, com direito a logomarca mais recente utilizada pela empresa em sua fase final. O antigo executivo da Busscar, Sérgio Souza, será o novo gerente na nova fase, o que pode indicar, para a minha alegria, uma possibilidade da nova Busscar não se tornar uma nova "CAIO".

Tendo ou não cara de Busscar Induscar, criando uma rima interessante, é uma excelente notícia a volta da Busscar. Torço para que a  encarroçadora mantivesse suas características na nova fase, se inspirando cada vez menos na CAIO. 

A Busscar, incluindo a fase Nielson sempre se destacou perante as outras encarroçadoras e pelo conjunto da obra foi considerada a melhor encarroçadora do país, com clientes fiéis como a niteroiense Fortaleza e a soteropolitana BTU.

Desejamos boa sorte a fase nova da empresa, mesmo vinculada ao grupo CAIO Induscar.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Ônibus túnel gera polêmica na China e consequentemente é abortado

Durou pouco a euforia pelo mais revolucionário transporte coletivo do mundo: O Stradding Bus, que também chamado de "Ônibus Túnel" e que no projeto original era conhecido como TEB (Ônibus Elevado de Trânsito, em inglês). Falamos dele em outra postagem deste blogue. Uma enorme polêmica envolveu o projeto e o protótipo acabou abandonado.

A mídia local começou a questionar o projeto, observando limitações e acusando o projeto de ser uma armação para gerar dinheiro ilegalmente. O que se sabe é que os testes ocorreram numa pequena área com apenas 300 metros e especialistas atentam que tais eram insuficientes para mostrar as vantagens do projeto.

Alegam que o tipo de transportes não está adaptado para as características de várias estradas e que o projeto é baixo demais para os tipos de veículos que rodam na China. A fama de maus motoristas dada aos chineses também preocupou. Afinal, quem conduzirá o enorme veículo?

O projeto ficou abandonado na pista de testes, colocada ao lado de uma estrada, limitando a sua largura. Motoristas reclamam que o projeto virou um "elefante branco" a atrapalhar o transito na localidade. O projeto será revisado e o resultado da revisão apresentado em 2018.

Uma pena que este projeto tenha rendido tanta polêmica. Eu gostei dele. Tomara que não desistam e aperfeiçoem o projeto, observando o maior número de condições possíveis.

Enquanto isso, o BRT carioca está sendo um estrondoso fracasso. Não passando de um projeto de 40 anos atrás caracterizado por um articulado comum a andar superlotado em trajetos mal bolados. Ninguém da mídia se levantou para reclamar. Parece que a mídia, comumente aliada com interesses de patrocinadores, adora projetos ruins e detesta boas ideias.



domingo, 4 de junho de 2017

Linha 52 de Niterói agora passa em Charitas

Em Niterói, uma boa alteração de itinerário que já começa a beneficiar muitos moradores dos bairros no entorno do novo túnel Charitas-Cafubá. A linha 52, que liga Itaipu, principal bairro da Região Oceânica ao bairro de Baldeador, na região da RJ 104 e no limite norte com o município de São Gonçalo, ampliou bastante seu itinerário e agora serve aos moradores de São Francisco e proximidades.

Antes a linha 52, uma das poucas do município que sequer chega perto do centro da cidade, saía de Itaipu até a altura do Shopping Itaipu (que apesar do nome, não fica em Itaipu mas na parte externa de Cafubá) rumo ao acesso da Estrada Caetano Monteiro, que leva ao Baldeador, destino final da linha. Agora passa por todo o bairro do Cafubá, alcança o túnel, chega a Charitas e segue pela Estrada da Cachoeira até Largo da Batalha, onde segue através da Caetano Monteiro para seu destino final.

Apesar do prolongamento significativo de itinerário (abaixo um mapa dará noção da distância entre os bairros), é uma alteração útil. Além de atender aos moradores dos bairros que não eram servidos pela linha, serve também como opção mais rápida para moradores dos bairros já atendidos pela linha para irem ao Rio de Janeiro através das barcas.

Não fui informado se a linha fará parte do sistema BHLS, apesar de andar nas vias exclusivas reservadas ao serviço. Opera atualmente com ônibus comuns. Fui informado que a aquisição dos veículos BHLS ainda se encontram em estudo, pois além das características dos veículos não estarem definidas, há o problema de custos, se são viáveis ou não. Creio que optarão por ônibus comuns, de motorização dianteira, mas com portas nos dois lados, como há em Teresina do Piaui. São mais baratos para adquirir e tem manutenção fácil e menos onerosa. 

De qualquer forma, fiquei feliz com o prolongamento da 52, que também ajudará na ampliação de demanda para a linha local, que não serve o centro da cidade. E com isso se espera o crescimento de infra-estrutura dos bairros agora servidos pela linha, com várias áreas de características semi-provincianas, com comércio escasso e ruas pouco movimentadas.


terça-feira, 30 de maio de 2017

Real vende FAOL e três grupos passam a administrar a empresa

A bela e simpática cidade de Nova Friburgo está em alerta sobre o seu sistema de ônibus: a FAOL (Friburgo Auto Ônibus Ltda.), tradicional empresa da cidade, existente há décadas, deixou de pertencer a grupo Real Auto Ônibus, que havia adquirido a empresa em 2012.

A FAOL agora passa a ser administrada por uma espécie de consórcio formado por três diferentes empresas: Coesa, de São Gonçalo, Expresso Recreio, de Itaguaí e Pavunense, do Rio de Janeiro, todas sem relação umas com as outras. A mudança já começa a ser posta em prática na segunda feira próxima, dia 04/05.

Muita coisa vai mudar na empresa, que tinha características semelhantes ao grupo que acaba de vendê-la. A pintura com certeza irá mudar, já que a sua estampa segue a estética do grupo Real, já observada na empresa de fretamento Reitur. Provavelmente, com o possível fim da padronização visual na capital fluminense, a pintura amarela da FAOL (que tinha cores diferentes por causa da área de operação) será a pintura da Real na retomada de sua identidade. A variação de três cores provavelmente será mantida.

Quanto aos carros, ainda e um mistério, pois as três novas donas tem características bem diferentes. Vamos aguardar o desenrolar dos fatos. O bom é que os friburguenses não ficarão sem ônibus e como as três novas donas são de empresas exemplares tanto na operação como na aquisição/conservação da frota, nítidas melhorias estão senso esperadas.

Como forma de criar perspectiva, coloco aqui fotos dos carros mais novos das empresas responsáveis pala nova fase da tradicional FAOL.



domingo, 21 de maio de 2017

Conheça o Túnel Charitas-Cafubá

Nos dias 10, 13 e 17 (os dois primeiros no lado de Charitas e o último no lado de Cafubá), eu estive conferindo pessoalmente e fotografando as partes externas do túnel Charitas-Cafubá, que liga o bairro da região de São Francisco (Charitas) a um dos primeiros bairros da chamada Região Oceânica,(Cafubá). A prefeitura atual considera a sua principal obra.

Apesar de ser uma obra extremamente importante, não é a única coisa a se fazer em Niterói, que tem um dos trânsitos mais caóticos que eu já vi. Mesmo assim, quem mora nas regiões citadas foi beneficiado por um acesso mais rápido que também pode melhorar a urbanização das citadas áreas.

Cliquei várias fotos, mas selecionei as 20 mais relevantes para esta postagem. A observar:

Lado Charitas (dias 10 e 13 de maio de 2017):
Foto 01 e 02: Externa do túnel do lado de Charitas.
Foto 03: Rótula na saída do túnel e que serve de retorno para os ônibus que servem o bairro.
Foto 04: Ônibus de piso baixo fazendo o trajeto do futuro BHLS em direção ao túnel.
Foto 05 e 06: Futura estação do ônibus BHLS em Charitas.
Foto 07 e 08: Parte interna do túnel no lado Charitas (OBS: no dia 17, não fui autorizado a fotografar o interior no lado Cafubá).
Foto 09: Ônibus de piso baixo indo à estação após sair do túnel.
Foto: 10: Cartaz de propaganda sobre o túnel colocada na rótula de retorno.

Lado Cafubá (dia 17 de maio de 2017):
Foto 11: Ônibus de piso baixo no principal largo de acesso ao bairro.
Fotos 12, 13, 14 e 15: Via do BHLS em parte de sua extensão.
Foto 16: Placa eletrônica que avisa a situação de trânsito no túnel.
Foto 17: Ônibus intermunicipal fazendo linha para a capital, em direção ao túnel, após fazer "escala" em Cafubá.
Foto 18: Canteiro de obras do túnel.
Fotos 19 e 20: Externa do túnel no lado de Cafubá.